Pular para o conteúdo principal

na sala do hospital

A presença viva
os distancia do corpo
um ouvido interior
uma disposição do espírito
um abraço consola o medo
da força.
Para acordar desse sono...
a vontade arrebata
repousa,
no mais íntimo infinito.

Comentários

  1. Que último verso é esse, guria?!
    Lindo, lindo
    - com todos os "ins" do "íntimo infinito"!

    Sempre fico muito de olho
    como você corta o verso:
    tem um tempo preciso, perfeito.

    Se de boas dúvidas se fazem um ótimo poema,
    o título me põe um tiquinho de dúvida,
    mesmo vendo nele uma 'informação' importante,
    e "um abraço consola" não agrada tanto,
    embora "acordar desse sono" seja ótimo.

    Aquele abraço,
    Mãos à obra-prima,
    Paulo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

de criança e chuva