Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2009

na sala do hospital

A presença viva
os distancia do corpo
um ouvido interior
uma disposição do espírito
um abraço consola o medo
da força.
Para acordar desse sono...
a vontade arrebata
repousa,
no mais íntimo infinito.
O mundo
a beira do Sol,
do dizer que é
renovar a Vida.
Paisagem dolorida essa
que cai
do fundo dos meus nervos
até alargar a Terra.
"os primeiros caçadores e colhedores de frutas
um dia se olharam, atônitos, durante um
instante interminável, na água estagnada de um poema.Desde então,
os h0mens não deixaram de se olhar nessse espelho de imagens.E têm se olhado, simultaneamente, como criadores de imagens
e como imagens de suas criações.Por isso, posso dizer com um pouco de segurança
que enquanto haja homens, haverá poesia.Mas a relação pode se romper.
Nasceu de uma faculdade humana por excelência:a imaginação; pode quebrar se a imaginação morre ou se corrompe.Se o homem se esquecesse da poesia, se esqueceria de si próprio.Voltaria ao caos original."


A Outra Voz, Octávio Paz
num dia alheio
esses meus raios
tem o ritmo natural
de um espírito cansado
de um corpo por sarar


da altura dessa estrada Ser
vejo a passagem das horas
me rendo
ao comprido da vida.

o domínio

Faltei

quando alguém mais indízivel que eu chegou
Um cansaço
antecipado na andança
causou nosso desencontro
com o falar
Ficamos amigos do silêncio.

Nós homens
espíritos livres
não sabemos abrir
um olho só.
olhar a distância em casa
O desvirar
do próprio corpo pesa.
Pode até daqui

passar a pressa da minha sede,

para em outras nuvens

mostrar sua beleza.



Mesmo com os pés habituados

em não voltar às velhas coisas,

o retrato da origem

é a dimensão desejada


aqui.
Um inocente cansaço das coisas
no fundo do meu caráter.

Leva,
por outro lado
a margem da minha alma,
e diga que só volte
em situação de espírito
ou em situação de viver
mais tempo em sua casa.
Um amanhã desse

com o gosto que me falta

com o que a minha voz não diz:

-Então vamos regressar aos ossos
voltar à memória do corpo.

Da desmedida criação

mais do que uma pele

brotar um outro,

e acolher como um hóspede

as janelas

para o silêncio.