Pular para o conteúdo principal
entre o que tenho nas mãos
e os naufrágios que me serve o amanhã
a única espera é de aferrar-se
ao tempo

antes que tudo fosse importante.

Comentários

  1. gostei dos poemas que li aqui, muito bacana o seu espaço.

    adorei esse poema!

    escreve de forma simples sobre coisas não tão simples. nessas minhas viagens nos blogs em busca da palavra estou sempre com o olhar voltado para essas coisas, que bom ter encontrado esse "cantinho"!

    um abraço e parabéns,
    Geraldo.

    ResponderExcluir
  2. sim e um "cantinho" muito agradável, agradeço a visita lá no meu, quando quiser voltar, será sempre bem vinda,

    um abraço e até menos!

    ResponderExcluir
  3. Ungaretti tá te fazendo um bem...

    Mas esse 'antes' me lembra outra pessoa...

    ResponderExcluir
  4. Lado a lado estão as influências e o olhar singular de Simone. Gosto cada vez mais de seus poemas, que unem hermetismo e simplicidade na dose certa, abrindo espaço para o não-dito, o enigma, o grande segredo da poesia...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

de criança e chuva

filha da terra

junho de 2017

alto da montanha, vento frio e fogo. estrelas no céu irmãs.
mulheres em círculo de enorme gratidão.
ervas,  rezos e cantos levantados à mãe terra.
Silêncio e olhos fechados para receber o presente da presença.
Uma mãe forte que acolhe conversa com as quatro direções e ensina como tocar a terra com respeito e amor.
tambor, faísca de fogo, água
plantas sagradas
em honra e união seguimos
mulheres.

cachoeira do Caldeirão, minas gerais
foto katty cuel


Peixe grande come peixe pequeno, Brueghel



após a orientação dos  remadores e dos pássaros