Pular para o conteúdo principal
ao trazer à casa a imperfeição das coisas que te consumiram ossos e cabelos, mudamos de cadeira sentamos em outro lugar, habitamos outro lugar.Entramos na memória dos muros e de lá não víamos mais nada a não ser a fábrica de razão aqui de fora, percebemos muralhas ainda por revelar
O que sabíamos fazer era dar sopros na história todos para trás, todos invisivelmente reais ouvindo seus cantos de pedra.

Comentários

  1. Bonita,

    gosto dos seus escritos de faca,
    vislumbres
    e costuras miudinhas de palavras.

    Carrego comigo,
    a Simone e a poesia dela.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

de criança e chuva